Sexta, 18 de Setembro de 2020 16:42
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Brasil HERÓI ESQUECIDO

Sarney se livrou de dois acidentes com aviões. Um deles, graças ao herói da Vasp, Comandante Fernando Murilo

Rememórias: a história do sequestro do avião da VASP, em 1988.

15/09/2020 16h59 Atualizada há 3 dias
128
Por: Mhario Lincoln Fonte: Do R7, com informações da Record TV
Comandante Murilo deixa hospital após ter sido baleado na perna no desfecho do sequestro — Foto: José Paulo/AE
Comandante Murilo deixa hospital após ter sido baleado na perna no desfecho do sequestro — Foto: José Paulo/AE
Fernando Lima e o pai, piloto Fernando Murilo Lima e Silva. Foto: Reprodução/Facebook

Textos Escolhidos

(Do R7, com informações da Record TV/ Jornalista Élle Marques)

Tudo corria bem no voo VASP 375 no dia 29/09/1988, saiu de Porto Velho, Rondônia, e fez escala em Cuiabá, Brasília, Goiânia e Belo Horizonte, de onde ele voaria para o Rio de Janeiro, aeroporto do Galeão, seu destino final. Mas as coisas não aconteceram exatamente assim.

Decolando de Belo Horizonte, um passageiro se levantou e, armado com um revolver calibre .32, iniciou o sequestro da aeronave. O passageiro, Raimundo Nonato Alves da Conceição, estava com raiva da política econômica brasileira, dos rumos do país, e por isso resolveu se vingar.

A vingança pretendida: Sequestrar um avião e jogá-lo contra o Palácio do Planalto, bem no local onde fica o gabinete do Presidente. Com isso, Raimundo pretendia matar aquele que ele considerava o grande vilão da história: Jose Sarney. Pode parecer piada, mas a coisa foi feia. Exigindo que a porta da cabine fosse aberta, Raimundo atirou em um comissário. Com a porta ainda trancada, Raimundo começou a atirar contra a cabine (as portas ainda não eram blindadas). Um tiro acertou o piloto reserva na perna, fraturando-a. O outro, acertou o painel.

Diante do risco que representava aquele homem atirando a esmo dentro de uma aeronave em pleno voo, o piloto abriu a porta e Raimundo anunciou seu plano, que representava a morte dos 98 passageiros e 7 tripulantes, fora possíveis vítimas em terra. O piloto, Fernando Murilo de Lima e Silva, conseguiu avisar sobre o sequestro, acionando, o transponder da aeronave, o código que indica interferência ilícita. Também conseguiu informar a torre de comando acerca dos planos envolvendo a Palácio do Planalto. Nesse momento, a 1ª vítima fatal do sequestro. Quando a torre responde ao piloto, foi o co-piloto, Salvador Evangelista, quem fez menção de responder. Provavelmente, um movimento brusco foi interpretado como reação. O co-piloto foi morto na hora com um tiro na nuca. Com dois colegas baleados, um colega morto, surge o sangue frio e a perspicácia do grande herói dessa história: o piloto Fernando. Ele percebeu que morrer seria inevitável, então começou um perigoso processo de convencimento com o sequestrador em busca de uma improvável solução.

Durante todo esse período, o Voo VASP 375 era seguido de perto por caças Mirage da FA, que tinham ordens de abater o voo, sacrificando os passageiros, caso surgissem indicações de que a aeronave seria usada contra algum prédio da capital. Nesse ponto, o sequestrador toma outra decisão: exigiu que rumassem para São Paulo, provavelmente em busca de outro alvo. O piloto Fernando novamente argumentou que o avião não tinha combustível para tanto. Sugeriu então um pouso no Santa Genoveva, em Goiânia. Enquanto a discussão se dava entre os dois, o piloto Fernando, disfarçadamente, rumou para Goiânia, afastando o avião de Brasília, cheia de potenciais alvos. Por fim, diante da recusa de pousar em Goiânia, e das ameaças que só faziam crescer, o piloto tomou mais uma decisão. Primeiro, ele tirou o avião do piloto automático e fez uma manobra chamada tonneau (manobra em que o avião dá uma volta completa ao redor de seu eixo). Ele pretendia, com isso, fazer o sequestrador cair e, assim, tomar a arma dele, mas isso não deu certo. Depois, ele partiu para a cartada final: o parafuso, manobra em que o avião perde a sustentação e cai de bico, girando as asas como um pião. A ideia do piloto era descer 9 mil pés durante a manobra, fazer o sequestrador cair e imediatamente efetuar o pouso em Goiânia. 

Anos depois, Fernando falou: "Eu pensei, como vou morrer mesmo, vou arriscar. Parti para o tudo ou nada. Já que vou morrer, vou morrer brigando porque, pelo visto, ele não ia me deixar pousar.” Fernando conseguiu fazer cair o sequestrador e pousar com tranquilidade. Mas ele logo se recuperou e seguiu com o sequestro. Era perto de 13h45 quando o pouso ocorreu. Em terra, as negociações continuaram. O aeroporto foi cercado por agentes do EB e da PF, que quase invadiram a aeronave, mas foi, novamente, o piloto Fernando quem deu rumo às coisas. Ele convenceu o sequestrador a pedir um avião menor, com bastante combustível, e com essa 2ª aeronave, ir em busca de sua vingança. O sequestrador aceitou, mas exigiu que Fernando seguisse pilotando, o que o piloto aceitou. Sua vida em trocar de 103 sobreviventes. 

Todos os feridos foram atendidos em hospitais de Goiânia. Nessa nova negociação, o sequestrador foi baleado pela equipe especial da Polícia Federal. Fernando, o piloto reserva e o comissário baleado não corriam risco de morte.  Nem o sequestrador, nas informações prestadas pelo hospital. Misteriosamente, 3 dias depois, Raimundo Nonato morreu de forma estranha, segundo consta, foi vítima de anemia falsiforme. No fim, o piloto Fernando, grande herói do sequestro, conseguiu salvar 104 vidas e evitou que tivéssemos um 11 de setembro muito antes das Torres Gêmeas.

Por seu feito, foi condecorado com a Ordem do Mérito Aeronáutico, a mais alta distinção honorífica do Comando da Aeronáutica. Contudo, nunca recebeu qualquer palavra de agradecimento do Presidente Sarney, que se quedou calado acerca do sequestro. “Ele nunca me dirigiu a palavra. Nunca me agradeceu. Mas não tenho mágoa. Estou tranquilo com minha consciência e sei que fiz meu papel”. E, até hoje, as manobras que o piloto Fernando efetuou naquele 29/09/1988 não são reconhecidas pela Boeing, que afirma categoricamente SER IMPOSSÍVEL FAZÊ-LAS EM UM BOEING 737-317. O capitão Fernando provou serem possíveis.

É que esse herói pouco conhecido, o piloto Fernando, morreu nesse 14.09.2020, em Búzios, aos 76 anos de idade. Morreu com o crédito enorme de ter salvado 104 vidas e de ter agido, quando muitos não fariam nada. Por isso, essa singela homenagem. Que o comandante Fernando vá em paz, e que fique sua lição de altruismo, em tempos tão duros de egoismo e individualismo.

----

2 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias