Sexta, 18 de Setembro de 2020 20:10
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Brasil Crônicas

Textos Escolhidos: Alessandra Leles Rocha

Entre a vida e a morte

10/08/2020 13h32 Atualizada há 1 mês
114
Por: Mhario Lincoln Fonte: ALR
 Entre a vida e a morte
Entre a vida e a morte
A. Leles Rocha

Textos Escolhidos: Alessandra Leles Rocha

Entre a vida e a morte

 

 

Entre a vida e a morte só cabe um suspiro. Nada é tão certo e tão imprevisível quanto à morte. Mas isso não faz dela menos importante e, nem tampouco, trivial para a raça humana. Afinal, ela sempre estende a dor além da própria vítima, em um luto que se decompõe entre tantos ao redor.
E no mundo enlutado não há razões para pensar que a vida continua como se nada tivesse acontecido. Aconteceu. Uma perda imensa. Uma perda que leva consigo uma parte do amor, da amizade, do companheirismo, do cotidiano, das alegrias, das esperanças, de inúmeros momentos acontecidos e por acontecer. Uma perda que tempo nenhum é capaz de aplacar.
Seja porque motivo for que a morte nos arrebate é sempre ela na sua fria e discreta brutalidade. Porque dizer adeus é quase impossível, quando se quer tão bem ao outro. Então, não importa se é o COVID-19, a Tuberculose, o atropelamento, a bala perdida,... não importa; pois, o relógio não consegue retroceder antes do fim.
Logo agora que a humanidade está impedida do afeto mais próximo, daquele abraço gostoso, daquele aconchego único, que nunca o ser humano se dá conta de que pode ser o último; pois, raras são às vezes em que a morte se anuncia. Foi assim, no de repente, que aconteceu em Hiroshima e Nagasaki há 75 anos, no Vietnã, na Síria, em Mariana, em Brumadinho, em Beirute, em Calicute,... O imponderável gritou em silêncio e emudeceu a todos na perplexidade da dor e do desespero.
É; nunca a morte esteve tão confortável entre nós! Nesse momento, travestida pela invisibilidade do COVID-19, não há uma gota de constrangimento no seu transitar entre os viventes. A cada instante ela tira alguém para dançar a valsa pandêmica. E quantos pares ela fez até aqui? Quase 100 mil em território nacional. No mundo, mais de 700 mil. Isso em números certamente subnotificados e sem considerar todas as outras faces que a morte usa para capturar suas vítimas.
O mundo que antes parecia ameaçado pelo envelhecimento da sua população revela-se, agora, muito mais minguado pela morte. Sim, porque ela se comporta acima das convenções, não escolhe raça, credo, etnia, gênero, idade, status ou escolaridade. Um pouco de tudo. Um muito de todos. E a perspectiva desenvolvimentista, progressista, tecnológica, consumista vai ficando em xeque-mate frente as suas investidas intempestivas, porque ninguém é páreo para a morte, ou é?!
Nesse jogo só ela dá as cartas. Ela faz as regras. Ela é a protagonista, enquanto o mundo é mero coadjuvante. E ninguém sabe o quanto de mau humor ela está no dia, para estimar o impacto das perdas. Ela é o inimigo sem rosto. O agente secreto infiltrado entre nós. A espreita da próxima vítima, sem que se possa fazer nada a respeito.
Cada dia nesse mundo é uma marca de sobrevivência. Um dia a mais que a morte nos concedeu; não, a vida. Ao contrário do que alguns ainda insistem em afirmar, estamos mais e mais distantes de nossos pequenos poderes. Ela está nos provando com mais veemência a extensão da nossa mortalidade. O quão somos insignificantes e falíveis apesar de todos os pesares. Por mais que tentem enaltecer as diferenças a nossa humanidade nos iguala. Somos de carne e osso. Somos vulneráveis diante do que conhecemos; mas, sobretudo, daquilo que desconhecemos.
A morte, portanto, nos impõe reflexões profundas. As prioridades são ressignificadas. Os poderes são questionados. Os limites contestados. Os valores reavaliados. ... Enfim, nada permanece imutável diante da morte. Ela chega revolvendo os terrenos humanos a uma profundidade inimaginada, que não há estrutura que permaneça de pé. As mortes traduzem rupturas para realinhamento de novas ordens e paradigmas. Elas não são pontos finais; mas, reticências para existências que precisam prosseguir a partir de um processo de reconstrução.
A morte não é o contrário da vida. Ela é parceira da vida, sua grande mentora. A gente já nasce sabendo que um dia tudo vai acabar; por isso, aprende a evitar flertar com a morte antes da hora, mantendo certos cuidados, certos limites, certos caminhos. Até que um dia, ela chega sem pedir licença. Retira as nossas asas. Envolve-nos em nossos casulos. E faz da nossa metamorfose parte da transformação do mundo.
Assim, ainda que a vida tenha sido desperdiçada por muitos em vão, a morte chega e lhes oferece a dignidade de fazer algo de bom, de colaborar de alguma forma com o mundo, ao menos uma vez, por meio dos ensinamentos que sua própria partida pode oferecer.

2 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias