Quinta, 13 de Agosto de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Mundo EGON SCHIELE

Egon Schiele revolucionou o modo de ver a pintura figurativa

Inclui entrevista com a artista visual Claudia Lara

21/07/2020 19h57 Atualizada há 3 semanas
230
Por: Mhario Lincoln Fonte: ML/Artref
Egon Schiele
Egon Schiele

 

Egon Schiele revolucionou o modo de ver a pintura figurativa

(*) Mhario Lincoln e ARTEREF/ Equipe Editorial

 

Numa entrevista que fiz com a excepcional artista Claudia Lara, (Curitiba-Paraná), falou-se da influência marcante do trabalho figurativo de Egon Schiele e Gustav Klimt em determinados momentos da produção visual e artesanal dela. Após essas citações por parte de Lara, me interessei bastante sobre ambos, especialmente pela carga emotiva embutida nos trabalhos de Schiele. Em uma das minhas pesquisas, dei-me com um texto publicado na ARTEREF que me serve de base para esta publicação.

EGON SCHIELE:

Realmente um artista incrível que é referência mundial, sem dúvida. Inclusive, pela razão íntima e familiar que o levou a introduzir em sua arte, já diferenciada, alguma coisa, na época, ‘pouco fora da normalidade’, diante de uma comunidade oficial extremamente tradicionalista.

Há de se ressaltar, todavia, que a influência de Schiele em outros grandes pintores, como nossa querida Claudia Lara, se dá pelas virtudes excêntricas das técnicas por ele empregadas. Independentes das origens. O Importante é que ele revolucionou o cenário da pintura figurativa.

Self-Portrait with Chinese Lantern Plant

Self-Portrait with Chinese Lantern Plant, 1912. Direitos: Leopold Museum, Vienna, Inv. 454. Acesso à iamgem aqui https://artsandculture.google.com/asset/lAGS1DQVHQVm6Q

A VIDA

Diz a equipe editorial da ARTEREF: “Com apenas 20 anos, Egon Schiele quebrou radicalmente com a história da pintura figurativa retratando o estado psicológico das pessoas, em vez de suas características físicas. Em seus primeiros anos vivendo com seu pai, mãe e duas irmãs em um cruzamento ferroviário na pequena cidade austríaca de Tulln, Schiele mostrou um talento para desenhar evidente, mas foi uma tragédia pessoal que o impulsionou, de uma vez por todas, a uma vida dedicada à sua prática artística. Seu pai, que frequentava bordéis durante a juventude (como era habitual para os homens austríacos da época), foi dado como louco por decorrência de alguns surtos psicóticos e, logo após o diagnóstico, em 1905, faleceu com sífilis, doença sexualmente transmissível.”

Continua o texto: “Sua psicose e morte afetaram profundamente Schiele, de 19 anos, mas simultaneamente desbloquearam uma feroz curiosidade em torno da sexualidade, da mortalidade e do funcionamento interno da mente humana no jovem artista. (...)”.

 

 Female Lovers, 1915

FRASES:

 

Algumas das frases impactantes de Schile:

“Os corpos têm sua própria luz que consomem para viver: queimam, não são iluminados pelo exterior.”

“Preciso ver coisas novas e investigá-las. Eu quero provar água escura e ver árvores estalando e ventos selvagens.”

 

 

PERCURSSO:

Schile ingressou na Akademie der Bildenden Künste, em Viena, onde estudou desenho e pintura, em oposição à vontade de sua mãe. Em 1907, Schiele conheceu Gustav Klimt. (outro mestre que citamos na entrevista, cujo link de acesso está abaixo dessa matéria. Vale ver).

A partir desse conhecimento, Klimt fez de Schile o seu "protegido". Ajudou-o comprando os seus trabalhos, apresentando-o a pessoas influentes, arranjando-lhe modelos, entre outras coisas.

A sua primeira exposição foi em 1908 na Klosterneuburg. Insatisfeito com o caráter conservador da academia, Schiele abandonou os estudos e, juntamente com outros colegas que partilhavam a mesma insatisfação, criou o grupo Neukunstgruppe. Liberto do conservadorismo, começou a explorar mais a forma humana e também a sexualidade.

Desta forma, segundo o site ARTEREF, “ (...) As pinturas e os desenhos que resultaram da sua carreira prematura que durou 8 anos, foram pioneiros na abordagem da pintura figurativa onde os traumas psicológicos e as fixações de seus personagens se tornaram evidentes na presença física: corpos contorcidos, pele machucada, gestos eróticos e características faciais andrógenas.”

 

VIRADA:

Em 1910, Schiele afastou-se dos padrões geométricos encontrados nas pinturas de Klimt, e estabeleceu seu próprio estilo. A mudança foi gerada, em grande parte, pelo interesse de Schiele pela mente humana, inspirado e influenciado por Sigmund Freud (o qual conheceu em noites boêmias) e suas próprias lutas psicológicas e obsessões, como a tristeza extrema.

Egon Schiele morreu durante a gripe espanhola, em 1918, mas seu legado, é significantemente influente até hoje. Não só pelas bases do Movimento Expressionista Vienense- Neuekunstgruppe, como também pela amplitude internacional de sua arte, através da Europa.

Especialistas em Schiele afirmam ser os desenhos e pinturas, “ (...) símbolos poderosos de luta psicológica, honestidade emocional e liberdade sexual.”.

 

(*) Mhario Lincoln

Presidente da Academias Poética Brasileira

 

 

ANTREVISTA COM A ARTISTA CLAUDIA LARA

https://www.youtube.com/watch?v=iS9X5rkpgHU

 

Artista Claudia Lara, in Exposição no Museu Guido Viaro/Curitiba-2019

 

2 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias