Segunda, 06 de Julho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Cidades LITERATURA

A BULA DOS SETE PECADOS sob o prisma de Keila Marta

Livro de poesias ainda inédito de Mhario Lincoln

21/06/2020 20h13
470
Por: Mhario Lincoln Fonte: Keila Marta
Membro efetivo da Academia Poética Brasileira
Membro efetivo da Academia Poética Brasileira
Caption

Sobre o livro A Bula dos Sete Pecados

Autor: Mhario Lincoln. 

Resenha: Keila Marta. (Keila Marta Melo Grama é Analista, consultora e ensaísta literária. Graduada em Letras Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa – Uemasul. Membro efetivo da Academia Poética Brasileira).

 

Querido Mhario, foi com grande alegria e contentamento que pude ler, apreciar e analisar cada detalhe do seu livro, A Bula dos Sete Pecados, mesmo sem poder folhear, sentir o cheiro do papel novo, mesmo na frieza da tela do celular ou do computador tive o prazer de sentir a energia das suas palavras.

 Logo na capa, o livro chama a minha atenção, por apresentar uma ilustração sutil e bastante simbólica. Por sua vez, o título na posição inferior as imagens, passa a ideia de complementaridade, possibilitando uma leitura imagética e de antecipação, como um enigma.

Em um primeiro olhar, falar da sua escrita parece tarefa fácil, posso afirmar ela é enxuta, no entanto tem acabamentos de mestre. Algo semelhante ao que faz o artesão, ao pegar um material denso, como a madeira, esculpe, flores, pássaros, pessoas e outros detalhes, dando a ela refinamento. Desse modo, o tom das palavras depende muito de quem as delineiam, por isso, as suas são suaves como plumas.

É, portanto uma leitura fluida, prazerosa, onde os pequenos pensamentos, poemas e crônicas abordam temas universalmente comuns aos sentimentos e atitudes humanas, quase sempre direcionando a atenção para o clássico. Ou seja, A bula dos sete pecados, convida o leitor a ir mais longe.

 

Essas observações se confirmam na nota Releituras, pois o poema Estranhas Frutas aborda uma temática pontualíssima que é o preconceito racial e de forma bastante enriquecedora tem como referente uma clássica música negra norte-americana eternizada na voz de Billie Holiday, uma grande artista que sofreu na pele os efeitos das desigualdades, que segundo Zuza Homem de Mello¹ ela foi “montando as durezas da vida para poder colocar para fora tudo nas canções que cantou” até mesmo nos detalhes expressivos do rosto.

Desse modo, o poema reafirma a estranheza, que a presença negra causa aos olhos do preconceituoso ao dizer logo no primeiro verso, “Árvores do Sul produzem uma estranha fruta”, e apresenta em seguida a perpetuação do sofrimento que é passado de geração em geração, “Sangue nas folhas e nas raízes”.

 

Folhas (novas gerações)

Raízes (origem, ancestralidade)

 

E, é uma constatação, o sangue humano manchou árvores na história recente dos Estados Unidos até meados do século XX, homens negros perderam suas vidas, pendurados como “frutas”,

 

Corpos negros balançam sob a brisa do Sul

Estranha fruta pendurada nos álamos.

 

Cena bucólica do valente Sul.

 

Além do mais, todo o movimento de problemas e saídas, ganha corpo através de um eixo norteador, que é demonstrado através do bom sentimento de quem escreve pensando nas pessoas e para as pessoas, desde o prefácio até a última linha. Mhario Lincoln, redige para entreter e automaticamente educa, e com alguns versos mais intimistas fala de si e dos seus.

É imprescindível dizer, que o poeta brinca com os efeitos e sentidos de sonoridades das rimas, fazendo uso de recursos estilísticos por meio das figuras de sons, como a aliteração presente no poema “Eu e Minhas Ciganas”, que acontece através das  repetições das consoantes m e n, de forma que todas as palavras no fim de cada verso se harmonizam com o substantivo cigana.

 

Por que amo tanto, ciganas?

Uma cigana

Fata Morgana

Rosto nirvana.

 

A alma engana?

O coração reclama

A libido inflama

 

[...]

 

Enfim, por meio desse livro outras pessoas têm a oportunidade de ter a companhia da boa literatura e de quem teve uma infância bem vivida, como descrita no primeiro texto do prefácio, e consegue ao longo dos anos manter a alegria, a generosidade e o entusiasmo. Mhario é sem dúvida um exemplo de pessoa que se confirma a mensagem que Ziraldo transmite com o personagem O menino maluquinho, que a criança intensa, realizada no seu dia a dia, continua sendo feliz na vida adulta.

Gratidão por me proporcionar esse contato com um livro seu, ainda inédito.

 

Keila Marta

São Luís – Maranhão, 08 de junho de 2020

 ------------------------------------------------------------------------------------ 

Nota:

¹Fragmento retirado da fala Zuza Homem de Mello ao canal Casa do Saber disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=oZcGlGcurL8

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias