Terça, 14 de Julho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Geral OPINIÃO

Crônicas: João Batista Gomes do Lago

Analista Literário, Poeta e Escritor maranhense

07/06/2020 20h42 Atualizada há 1 mês
662
Por: Mhario Lincoln
Analista Literário, Poeta e Escritor maranhense
Analista Literário, Poeta e Escritor maranhense

O “pretismo” não é Negro

 

© DE João Batista do Lago

 

Comemorou-se no dia 13 de maio a assinatura da Lei Áurea, que abolira a escravidão no Brasil, no Século XIX, mais precisamente em 1888. Essa lei foi sancionada por Dona Isabel, Princesa Imperial. O “feito de ouro” foi transformado em data cívica por força de decreto n. 155 B de 14 de janeiro de 1890 e transformado em feriado nacional “Consagrado á commemoração da fraternidade dos Brasileiros”.

Se o parágrafo acima resolvesse todas as questões implícitas – no caso brasileiro – na questão do Negro, o Brasil poderia ser considerado um Estado não-racista. Ocorre, porém, que fora exatamente a partir da assinatura da lei que os negros e seus descendentes passaram a ser mais e mais discriminados em todo o território nacional. A tal “fraternidade” jamais existira. Assim como, hoje, inexiste.

Os negros, abraçados pelo ato “generoso” de Dona Isabel, foram, então, atirados na mundidade do mundo dos “Brasileiros”. Com isso ficaram expostos a todos os atos e fatos de discriminalização e de criminalização. A pena, por intermédio da Lei Áurea, aplicada ao Negro, antes de libertá-lo de fato e de direito, condenara-o, desde sempre, a viver marginalmente à sociedade civil, sobretudo às elites cafeicultoras e da cana-de-açúcar.

Hoje, não é preciso olhar para traz para se saber que o Negro continua sendo “um pária” socialmente. Mesmo que admitamos avanços e conquistas alcançados ao longo de todos esses anos, ainda assim, constata-se que o Negro é a maior parte do corpo social que se encontra fora das benesses econômico-financeiras, sociais e culturais deste país. Quando ousamos analisar as pesquisas verificamos que pouco, muito pouco mesmo, do que podemos chamar de “riqueza” (no sentido mais amplo), alcançou satisfatoriamente a comunidade negra nacional.

Valeu. E vale sempre comemorar a data. Mas não só isso basta! É preciso que se rediscuta o papel e a função do Negro na mundidade do mundo da “Brasilidade” brasileira. Achar que os avanços e os ganhos são demasiadamente importantes, creio, é um erro. Aceitar que esses avanços e ganhos são resultantes de ações políticas de terceiros é erro maior ainda. Transferir a nucleação do debate sobre o Negro tão-somente para a comunidade acadêmica é conceder o direito de não se entender como Sujeito significado e significante, ou seja, sem identidade cultural.

Por fim, e espero mesmo que esta minha inferição seja total e absolutamente errada, discordo daqueles que insistem que a questão do Negro se dá apenas e tão-somente na pigmentação da pele. Não aceito e não admito discutir o Negro a partir de um pressuposto ou suposto “pretismo”. Aos meus olhos isso é puro – e puritanismo – nazismo neomodernista. O Negro, aos meus olhos, há-de ser discutido a partir de sua matriz cultural – desde sempre. Fora disso é sujeitar o Negro a uma tipologia de inferioridade secular.  

7 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 04h59 - Fonte: Climatempo
12°
Muitas nuvens

Mín. 11° Máx. 16°

12° Sensação
9 km/h Vento
100% Umidade do ar
20% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (15/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 10° Máx. 15°

Sol com muitas nuvens
Quinta (16/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 19°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias