Segunda, 06 de Julho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Cultura Lançamento

"TODA LIDA". Como retratar uma mulher? As possibilidades de existência de cada uma são muitas.

Novo livro de Adriana Bezerra e Carla Sílvia. (Clique e leia)

26/05/2020 15h47 Atualizada há 1 mês
217
Por: Mhario Lincoln Fonte: ML
“Toda Lida”, obra composta por dez sonetos e dez aforismos
“Toda Lida”, obra composta por dez sonetos e dez aforismos

 

Prefácio 

"Toda Lida"

 

(*) Lindevania Martins

Como retratar uma mulher? As possibilidades de existência de cada uma são muitas. Pintar um retrato feminino implicará sempre em deixar alguma coisa de fora, correndo o risco de reduzir a heterogeneidade da experiência vivida. Em um ato corajoso, as competentes escritoras  Adriana Bezerra Silva e Carla Sílvia Souza da Rocha aceitaram correr o risco. Se, por um lado, a completude é impossível, por outro, é necessário reconhecer que nos identificamos com muitas das vivências das nossas companheiras de gênero, enxergando as semelhanças que nos aproximam inclusive em narrativas ausentes do nosso próprio cotidiano.

Adriana Bezerra Silva
Carla Sílvia Souza da Rocha

 

“Toda Lida”, obra composta por dez sonetos e dez aforismos, abraçando incompletudes e similitudes, nasce com um objetivo declarado: trabalhar, através da arte, na superação da violência contra a mulher, em especial aquela que ocorre dentro de relacionamentos amorosos abusivos. É em tom de denúncia que é escrito o primeiro aforismo de similitude: “Calada, maltrata, agredida/Julgada, descartada, desprotegida/Afrontada, espancada, escondida/Desnorteada, anulada, sofrida/Denúncia, registro, boletim/Distância, medida, delegacia/Ameaçada, jurada, assassinada”.

Fazendo coro ao slogan de que o pessoal é político, e partindo do entendimento de que histórias individuais de violência agem sobre o imaginário coletivo, de forma que é impossível a cada mulher não ser atingida pela atmosfera de controle e opressão que recai sobre si e suas companheiras, Adriana Bezerra Silva e Carla Sílvia Souza da Rocha abordam o universo feminino em sua riqueza e complexidade, mas vão além da violência pura e simples, tratando inclusive de temas como o erotismo, como se vê em Desejo: “Nossas carnes frenéticas e desnudas/Abraçadas intensamente pelo desejo/Contornam as nossas bocas mudas”, bem como em “Senhora de Si”, em que uma mulher  mulher confessa: “Gostaria de ter os meus vinte e tantos anos/Para deslizar meu corpo em tua pele macia”.

Entre as reflexões que seus poemas e aforismas nos trazem, destaca-se aquelas feitas em torno do trabalho feminino, inclusive nesse que se desenrola a partir do amor, em que palavras que remetem a um cenário idílico como “tempero” e “amor de mãe” são quebradas por outras como “delegacia” e “pesadelo”. Registre-se que o próprio título , “Toda Lida”, já remete ao trabalho das mulheres, brincando, ao mesmo tempo com o ato de leitura ou interpretação, como se fosse possível ler uma mulher completamente, como se ela fosse um texto.

Editora PENALUX

Como bem salientam as autoras em sua apresentação, não é possível. Os ideais totalizantes são fadados ao fracasso, pois viver é um processo que se completa apenas ao fim.

 

(*) Lindevania Martins

Poeta e prosadora.  Mestre em Cultura e sociedade. Defensora Pública titular do Núcleo de Defesa da Mulher e Populaçao LGBT (MA).

 

4 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias