Domingo, 07 de Junho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Cidades D. MARIA LOPES

Mãe Nordestina. Homenagem a D. Maria Lopes, mãe-guerreira

Ela é mãe do músico, compositor e produtor musical, Chiquinho França

10/05/2020 14h00 Atualizada há 4 semanas
57
Por: Mhario Lincoln Fonte: ML
Chiquinho França e D. Maria Lopes
Chiquinho França e D. Maria Lopes

Mãe Nordestina

(*) Mhario Lincoln

 

Alguém aí já parou pra pensar o que é que dá tanta força a uma Mãe Nordestina?

Pois saibam, parceiros, que Mãe Nordestina tem um tiquinho mais de peleja que outras mães desta vasta nação.

Já vi minha mãezinha na porta de casa, segurando os olhos pra não chorar e assim mostrar pro filho que vai embora, muita fortaleza e que acredita no amanhã que ele irá assuntá.

Mas lá por dentro, o coração se embola, as pernas se entocam umas nas outras para ficar de pé e de pé ver o filho desaparecer na estradinha de poeira.

Minha mãe é assim.

Forte e altaneira, alma pura, segura de si. E que amor imenso guarda nesses 56 quilos e nesse rosto queimado de sol e de esperança.

Minha mãe é rainha que nem outras rainhas. Não rainha por ser rainha. Mas rainha por se doar todinha a uma prole que tem que dá de comer todo dia, depois da lida na roça.

Minha mãe é presidente de nosso Mundo. O Mundo dos filhos e do papai. O mundo em que aprendemos a respeitar unzozotro pra respeitar o outro lá fora, nem sempre amigo, até inimigo, quando caminharmos pelas veredas da vida.

Minha mãe. Ah! Minha doce mãe, que nem mesmo esses cabelos brancos podem representar alguma fraqueza. Pelo contrário, são madeixas de franqueza. Ah! Minha mãe.

Quando sai para vencer, levei você comigo, dentro de mim. Eu sou imagem e semelhança. E isso pulula dentro do meu coração.

Se sou vitorioso, é porque sou sua imagem e semelhança.

Se sou amigo é porque sou sua imagem e semelhança.

Se sou humano, é porque sou sua imagem e semelhança, doce mãe querida.

O universo deu muitas voltas e cá estamos novamente. Almoçando na mesma mesa e eu tendo uma oportunidade rara de abraçar e beijar.

Passar as mãos em seus cabelos e gritar para os quatro cantos.

Obrigado, mãe: eu ter AMO!

 

(Obs: Uma homenagem a D. Maria Lopes, mãe de meu amigo e irmão Chiquinho França, neste Dia das Mães de 2020).

Ela assistindo e protegendo com os olhos seu filho Chiquinho França, em Concerto, no Teatro ARTHUR AZEVEDO

2 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias