Quinta, 04 de Junho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Cidades Paulo Rodrigues

PEQUENO ENSAIO AMOROSO: A DIALÉTICA DA FERIDA

Paulo Rodrigues é escritor e poeta e premiado pela União Brasileira de Escritores

18/04/2020 13h25
165
Por: Mhario Lincoln Fonte: Paulo Rodrigues
Paulo Rodrigués é premiado pela União Brasileira de Escritores.
Paulo Rodrigués é premiado pela União Brasileira de Escritores.

HOJE TEM A CANETA DE:

Paulo Rodrigues é membro da Academia Poética Brasileira, vice-presidente regional(MA).

 

 

PEQUENO ENSAIO AMOROSO: A DIALÉTICA DA FERIDA

 

“Tire essa faca cega/ dos meus olhos!

Preciso olhar/ minha plantação de horizontes”.

                                            Luiza Cantanhêde

Pequeno Ensaio Amoroso é o terceiro livro de Luiza Cantanhêde. Foi publicado pela editora Penalux e premiado pela União Brasileira de Escritores UBE/RJ, em 2019. A obra está dividida em quatro seções: Ferida, Geografia Esquecida, Somente a Boca e O Destino das Cicatrizes.

Há, em Luiza, uma linguagem árida (que revela muito da condição humana) com poucas palavras. Cresce uma antítese delicada, na linha discursiva dela.  Imagens poéticas firmes como a pedra refazem a delicadeza da água: “para tua fome,/ as pedras;/ a palavra, cúmplice do nada/ para tua sede,/ um veio d’água/ aturdido no deserto”.

Do ponto de vista estilístico, existe forte atração entre os contrários, títulos cheios de enigmas, uma sintaxe fragmentada que prefere as orações coordenadas. Além disso, a poeta carrega os versos de ambiguidade e ironia. Uma ironia fina, muitas vezes imperceptível ao leitor desatento como podemos perceber no poema Rituais (2019, p. 52):

 

Três vezes

bebi a água

do pecado.

 

Três vezes

neguei

a mim mesma.

 

Fiz do amor

a minha divindade. 

 

Após a prisão, Pedro negou conhecer Jesus por três vezes. Só com o canto do galo, aquele homem voltou a refletir. Viu o Cristo, não segurou as lágrimas do arrependimento. Luiza é tão profunda quanto esta bela imagem do Cristianismo, porque negou a si mesma, no entanto se perdoou através dos ensinamentos da contemplação. Há nesta retomada intertextual, uma ironia sutil, capaz de ensinar valores aos religiosos que só pregam a “prosperidade financeira”.

Não fundou uma religião nova. Ligou-se profundamente com o humano. Usou o ato amoroso para se pensar e religar-se ao mundo: “fiz do amor/ a minha divindade”.          

A poesia toma café na varanda da casa, observando o cotidiano no seu eterno devenire. Os diálogos são a marca fulcral da elaboração enunciativa de Luiza Cantanhêde. Podemos constatar isto, no texto Um Quase Poema (2019, p. 20):

 

Não fosse esse gosto de 

chumbo derretido na boca,

a mão estendida,

humilhada e com fome.

 

Não fosse esse chão duro,

os ossos duros  de roer.

 

Não fosse o corpo das marieles,

camillas, arethas emiles,

das tanias, dandaras, marias.

 

Não fosse a miséria

no mapa dos continentes.

 

Não fosse esse

grito preso,

essa indignação,

essa impotência

(o silêncio que asfixia)

 

Eu diria que isto

é quase um poema.

 

O poema conversa com a história do Brasil. Ilumina figuras femininas importantes, que ajudaram a construir nossa percepção das injustiças sociais. Faz referência a vereadora Mariele Franco (PSOL/RJ) que fora covardemente assassinada no dia 14 de março de 2018.

Uma mulher negra, favelada, numa nação marcada desde o zero ano pela escravidão (não poderia ganhar uma dimensão nacional). Era preciso eliminá-la. Todavia, o assassinato da ativista fez sua luta ganhar uma dimensão internacional. A poeta aborda o sentimento de boa parte da nossa população e não usa as marcas do panfletário. Pinta as Marias, as Camilas e Dandaras com as tonalidades do belo.

É o poema que nasce, negando a si mesmo a certidão de nascimento, num diálogo com Poesia de Carlos Drummond de Andrade: “não fosse esse/ grito preso/ essa indignação,/ essa onipotência/ (o silêncio que asfixia)/ eu diria que isto/ é quase um poema”. 

“A vida é dialógica por natureza. Viver significa participar do diálogo: interrogar, ouvir, responder, concordar, etc. Nesse diálogo o homem participa inteiro e com toda a vida”, afirma Bakhtin. Parece que a poeta está lendo o filósofo revolucionário da Rússia, quando escreve Polônia (2019, p. 31):

 

Preciso comportar

no peito os escombros

de uma vida inteira.

 

Polônia é um país do Leste Europeu, com uma forte herança judaica, predestinado a sofrer massacres pela posição geográfica que ocupa. Durante a Segunda Guerra Mundial foi ocupada pelos nazistas e pela União Soviética. Guarda muitos dos destroços do homem.     

A poeta tece o texto com os desastres que atravessam o povo polonês e a ela própria. Guardar as ruínas, as marcas do sol, as feridas é algo doído para o eu lírico. 

Encontrar e identificar as plantações de horizontes nos constantes diálogos de Luíza Cantanhêde foi o desafio proposto por mim. Alcancei? Não completamente, pois demanda um estudo mais minucioso e demorado.

Encerro, afirmando que a dialética da ferida perpassa todos os versos do Pequeno Ensaio Amoroso.

 

(*) Paulo Rodrigues é membro da Academia Poética Brasileira, vice-presidente regional(MA).

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias