Quinta, 04 de Junho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Especiais Edomir Oliveira

O casamento teria que ser no Cerimonial. Não na Igreja. Assim foi feito...

Edomir Martins de Oliveira conta mais um causo engraçadíssimo sobre atrasos de noiva.

09/04/2020 13h21
147
Por: Mhario Lincoln
Edomir Martins de Oliveira, vice-presidente nacional da APB.
Edomir Martins de Oliveira, vice-presidente nacional da APB.

 

CONVIDADO QUE NÃO PERDOA ATRASO DE NOIVA

Capítulo 3

(Do meu livro – Finalmente A Noiva Chegou)

 

Noivos escolhem os locais mais variados para ir em busca da realização de seus sonhos de casamento.

       Certa feita, estive presente em uma cerimônia realizada na sede de um Cerimonial, contratado pelos nubentes para a cerimônia do seu casamento, embora este fosse um espaço reconhecidamente de pequenas  dimensões.

Local melhor apropriado só mesmo a Igreja, segundo aconselhadores, os noivos, porém, queriam que o casamento fosse celebrado ali mesmo nada os fazendo mudar de ideia.

       Em vão a direção do Cerimonial tentou dissuadir os noivos, orientando-os para que realizassem a cerimônia na Igreja. Mostraram que seu espaço era pequeno e não caberia mais de 100 pessoas. A noiva respondeu ao chefe do cerimonial que melhor seria ainda, pois daria a impressão de que com 100 pessoas, o ambiente estava cheio e eles teriam tido muitos convidados.

       Comprometeram-se em levar o Padre e o Juiz, para que a cerimônia não sofresse qualquer atraso, o que fariam com muita alegria.

Não havendo por parte dos noivos, quem atendesse às ponderações da gerência do Cerimonial, este  comprometeu-se em adornar o ambiente e tomar as providências necessárias para que salgadinhos e doces, além do bolo escolhido pela noiva e      jantar de fino preparo, bem como  os acompanhamentos com água mineral, sucos, refrigerantes e vinhos da marca desejada pelos noivos, até o limite de 3 caixas, seria tudo servido aos cuidados do bufê, isto sem esquecer o som e o tecladista que animariam o ambiente.

       No dia aprazado, e até antes da hora, como de praxe, estavam, trazidos por familiares do noivo, o Juiz e o Padre como combinado, 

enquanto o noivo perfilava-se à espera da noiva, acompanhado de sua genitora.

       Salão do Cerimonial todo adornado com flores de várias espécies, tornava o ambiente mais agradável e romântico, com um fundo musical suave, tudo aprovado pelos noivos. Aguardava-se apenas a chegada da noiva.

       Aí começou o previsível atraso da noiva. Trinta minutos seriam perfeitamente toleráveis. Mas o tempo decorria e a noiva não aparecia. Assim, passaram-se duas horas e trinta, quando então o Juiz e o Sacerdote já pensavam em ir embora.

O tecladista dizia também que fora contratado para tocar apenas por duas horas e teria que se retirar, felizmente não o fazendo porque a noiva finalmente chegou,  e ele  então, fez o acompanhamento de entrada da noiva tocando A Marcha Nupcial de Mendelssohn e em seguida foi embora porque tinha outro compromisso.       

Um impaciente convidado, em virtude dessa demora, passou a chave do seu carro para sua esposa e pediu-lhe que guardasse na bolsa, pois ele iria dar uma voltinha, porque estava cansado de estar sentado, ademais pelo agravante do ar condicionado não estar funcionando bem devido o salão estar cheio.

       Decorridos mais de 20 minutos, com a cerimônia já iniciada, a esposa, como o seu marido não retornasse, usando seu celular, ligou-lhe, perguntando onde ele estava ao que informou estar no aconchego do lar. Pegara um taxi e fora para casa, pois cansara de esperar pela noiva.

       -Como a esposa estava com a chave do carro do casal e estava habilitada para dirigir, no momento que julgasse melhor, ela poderia voltar para casa, pois ele não voltaria ao Cerimonial, vez que a noiva desrespeitara os convidados com um atraso daquele porte.

       Para a esposa não havia outra alternativa. Com cerimônia iniciada esperou só o famoso “sim” dos noivos e retirou-se de mansinho.  Isso estimulou alguns outros convidados a fazerem o mesmo, pois era imperdoável terem recebido o tratamento que a noiva os dispensara.

       Como sempre a culpa do atraso foi do cabelereiro e do maquiador que foram lentos demais no atendimento da noiva. Foi assim ela se justificou perante seus convidados.

E a festa continuou para alegria  dos noivos e dos outros  convidados que resistiram e ficaram até o final, pois os noivos eram pessoas muito queridas.

13 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias