Quinta, 04 de Junho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Educação Frida Kahlo

Frida: poliomelite, múltiplas fraturas. 11 na perna direita e 3 nas costelas, clavícula e pélvis. Indiscutívelmente uma heroína!

Assim foram os dias de Magdalena Carmén Frida Kahlo y Calderón: entre dores e festas.

31/03/2020 12h22 Atualizada há 2 meses
65
Por: Mhario Lincoln Fonte: SUPER INTERESSANTE
Magdalena Carmén Frida Kahlo y Calderón
Magdalena Carmén Frida Kahlo y Calderón

Edição: Sílvia Lisboa

textos: Juan Ortiz, Maurício Brum, Pedro Nakamura e Stéfani Fontanive

IlustraÇÃo Cristina Kashima

 

Das telas às galerias de arte, dos torneios esportivos aos romances, passando pela religião, as mulheres deste capítulo deixaram suas marcas em diferentes aspectos da cultura.

Sua genialidade criativa, sua arte e seus exemplos ajudaram a mudar o nosso cotidiano: do jeito de se vestir até uma forma menos machista de ver o mundo. Somente aos 46 anos, debilitada por crônicos problemas de saúde, Frida Kahlo fez sua primeira grande exposição de pinturas na capital mexicana. A ambulância chegou às 20h na Galeria de Arte Contemporânea.

Carregada de maca, a artista foi levada até uma cama de quatro colunas enfeitada com esqueletos de papel e fotos de líderes socialistas. Ela permaneceu deitada toda a exibição, das 20h até a madrugada, usando seu tradicional traje de tehuana e tranças em forma de coroa. Dezenas de amigos e admiradores fizeram fila para cumprimentá-la, formaram um círculo em volta da cama e cantaram até tarde da noite.

Frida morreu um ano depois.

Assim foram os dias de Magdalena Carmén Frida Kahlo y Calderón: entre dores e festas. Com 6 anos, contraiu poliomielite, doença infecciosa que ataca o movimento dos membros inferiores. Teve que ficar deitada por nove meses, e sua perna direita atrofiou. As saias longas, uma de suas marcas registradas, serviam para esconder a deformidade. A próxima tragédia ocorreu aos 18 anos. Estava voltando de ônibus para casa, em Coyoacán, quando um bonde desenfreado colidiu contra a condução. Frida foi jogada contra a quina de um prédio e sofreu múltiplas fraturas pelo corpo. Três na coluna, 11 na perna direita e outras nas costelas, clavícula e pélvis. Ao longo da vida, passou por 32 operações.

Enquanto se recuperava, dedicou seu tempo à pintura. A artista ingressou nos círculos intelectuais e políticos de seu país. Nas reuniões do Partido Comunista do México, conheceu o pintor Diego Rivera, com quem compartilhou amores, um casamento de uma década e diversas infidelidades – a pior delas em 1934, de Rivera com a cunhada, que resultou na separação do casal. Entre 1937 e 1939, Frida hospedou em casa o líder marxista Leon Trótski, expulso da ex-União Soviética, com quem teve um breve romance. Trótski foi assassinado em 1940, e Frida entrou na lista dos suspeitos – o assassino era um agente catalão a serviço de Stálin. Frida e Diego voltaram a morar juntos, não mais como namorados, mas como parceiros de trabalho.

Os autorretratos de Frida representavam o cosmos pessoal da pintora. As obras As Duas Fridas (1939) e Coluna Partida (1944) são algumas das mais famosas. Em 2016, o quadro Dois Nus na Floresta foi arrematado por US$ 8,5 milhões, o mais caro de um pintor da América Latina.

Quando um teórico surrealista disse que Frida era uma representante do movimento, ela respondeu indignada: “Nunca pintei sonhos. Eu pinto minha própria realidade.”

 

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias