Sábado, 06 de Junho de 2020
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Galeria de fotos 1 foto

Colunistas: JUL LEARDINI e o Ensaio sobre a relação do Corpo com o Espírito de Henri Bergson. (Toque pra ler)

23/05/2020 12h50
0
Por: Mhario Lincoln

MATÉRIA E MEMÓRIA

Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito de Henri Bergson

(*) Jul Leardini é Licenciado e Bacharel em Filosofia pela UFPR

 

Parte 1

Capítulo 1 – DA SELEÇÃO DAS IMAGENS PARA A REPRESENTAÇÃO. O PAPEL DO CORPO

Bergson trabalha, a meu ver, dentro dos moldes do método cartesiano, por abstração. Só que ao invés de realizar a abstração dos dados sensíveis, procura abstrair-se das teorias da matéria e das teorias do espírito, da realidade e da idealidade, deixando em sua presença apenas as imagens, mesmo que ainda vagas, percebidas pelos sentidos quando estão abertos. Ou seja, ele não elimina os dados sensíveis, pelo contrário, coloca-os em estado de alerta.

Percebe que todas as imagens agem e reagem umas sobre as outras e que o corpo fornece imagens particulares e novas.

Passa em seguida a observar as outras pessoas e vê que seus corpos são movimentados por estímulos transmitidos aos centros nervosos. Donde conclui que o mundo material é amplo e que contém em si muita coisa, inclusive o cérebro. Ele diz que o cérebro é uma parte da imagem e não o criador da imagem. Donde percebe que, se desaparecessem o cérebro e o seu estímulo, muita pouca coisa se alteraria no quadro do mundo. Mas Bergson não entra aqui na consideração cartesiana do “deus enganador” e da possibilidade de estarmos sendo “enganados pelos sentidos”. Apenas considera que o mundo continuaria existindo, mesmo sem o cérebro e seus estímulos.

Voltando ao cérebro, ele percebe que este reage às imagens do mundo exterior recebendo e transmitindo movimento, como se fosse um centro de ação, desprovido da capacidade de criar uma representação. “Os objetos que cercam o meu corpo refletem a ação possível de meu corpo sobre eles.”

Agora Bergson sugere uma cirurgia que corte alguns feixes de fibras de um sistema cerebral e afirma que o mundo permaneceria inalterado com aquela ação e mesmo o resto daquele próprio corpo que sofreu a cirurgia. Apenas o que mudaria seria a percepção daquele ser em relação a matéria, ou seja, a capacidade do cérebro em reagir ao conjunto das imagens e a percepção da matéria a essas imagens.

Considera que a percepção é função desses movimentos moleculares, que ela depende deles e que, portanto, esta percepção é constantemente alterada.

Passa em seguida a considerar as imagens particulares e a representação delas, buscando refletir sobre a sua co-existência em dois sistemas diferentes.

Rebate em seguida o postulado de que “a percepção tem um interesse inteiramente especulativo: ela é conhecimento puro”, colocando que o exame da estrutura do sistema nervoso desmente essa teoria.

(continua...)

Obs: Para aprofundar estudo filosóficos, acesse o Canal de Jul Leardini, O LIVRE PENSADOR, no Youtube: 

https://www.youtube.com/channel/UCGKlph9N83lXTx0XUJujo4g/playlists?view_as=subscriber 

Mais informações, visite o blog de Jul Leardini: SINTESIS, https://dafrestaporondeenxergo.blogspot.com/

7 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias