Sexta, 18 de Setembro de 2020 20:19
Dúvidas pelo seguinte e-mail
Galeria de fotos 1 foto

Convidado, Jul Leardini: "Sobre a Terceira Meditação Parágrafo 17 "

11/09/2020 11h33
84
Por: Mhario Lincoln

 

Parte 7

Meditações Metafísicas

René Descartes

Sobre a Terceira Meditação

Parágrafo 17 

 

 

(II)

PRESSUPOSTOS E CONSEQUÊNCIAS DESSA ARGUMENTAÇÃO 

Algumas livres reflexões  

Terceiro problema

 

            Não me convence que a causa deva ter tanta realidade quanto o efeito: um empurrão pode ser a causa de uma queda e não precisa, necessariamente, conter nada do efeito gerado.

            Se tal exemplo parecer abstrato demais, cito outro: dizem que “na semente da maçã está a maçã”, mas, se isto é verdade, porque a maçã tem várias sementes, além do corpo farináceo, casca e líquido nela contidos? Não seria o caso então de dizermos que “na maçã está a semente da maçã”? Pois a maçã, além de conter em si as sementes, contêm ainda outras coisas não vistas na semente. Além do mais, alguém já comprovou que a semente surgiu antes da maçã? E se a maçã tiver surgido antes, de algum fenômeno natural, e trouxe consigo a semente?

Quarto problema

            Não pode algo mais perfeito surgir do menos perfeito?

            Se assim não for, como explicar o fenômeno Wolfgang Amadeus Mozart que, superando totalmente o pai, também músico, não só era surpreendentemente superior ao genitor, mas também até hoje é considerado insuperável?

            Se o exemplo também for pálido, vamos aos objetos em si: o que é mais perfeito, a argila ou a obra de arte dela derivada? O mármore de Carrara é mais perfeito que o Davi de Michelângelo Buonarroti, só pelo fato de conter em si todos os elementos materiais da obra de arte dele derivada?

            Não seria o caso de dizermos, não que a causa seja mais perfeita que o efeito, mas simplesmente que a causa contêm todos os elementos do efeitos. 

            Parece-me frágil o encaminhamento de Descartes, e estou mais disposto a crer, pelo que observo no mundo, que, aquilo que ora é entendido como efeito, pode, por outro lado, também ser compreendido como causa e cito o seguinte exemplo: se penso uma cadeira, pelo pensar de Descartes, eu somente poderia pensar nela porque a ideia da cadeira já está em mim, porque essa ideia é a causa do meu pensar e sem essa causa do meu pensar, que é a ideia da cadeira, não poderia haver a cadeira.

            Mas isto significa dizer que o objeto cadeira deriva de um modelo de cadeira, já pré-existente em algum lugar, talvez num empíreo, num outro mundo ou em outro plano, mais sutil ou mais etéreo.

            Supondo que isto pudesse ser verdade, que autonomia Descartes estaria dando ao pensamento individual, uma vez que tudo que ele pensa já é pré-dado, pré-existente? Será que até o fruto da mais original imaginação também estaria condicionado a estas imagens ideais? O que seria o homem, neste caso, além de um simples repetidor de modelos-formais de tudo que se imagina? Não estaria a vida reduzida a um simples protótipo e, deste modo, o homem transformado em mera máquina repetidora, que meramente reproduz um modelo, não dando nada de si, não passando de uma alavanca de comando que movimenta um pedaço de coisa qualquer, para moldar outro objeto?  

(continua) 

 

Bibliografia:

Agostinho. De Libero Arbitrio, livro II, capítulo 3, parágrafos 7, 8 e 9.

Descartes, Rene, Meditações Filosóficas (1ª, 2ª e 3ª meditação), edição Os Pensadores.

Descartes, Rene, Princípios da Filosofia, Editora UFRJ, 2002.

 

LINK DO BLOG

https://dafrestaporondeenxergo.blogspot.com/2020/08/a-terceira-meditacao-de-rene-descartes.html

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias